Empresas prestadoras de serviços: tudo sobre a gestão financeira

Empresas prestadoras de serviços: tudo sobre a gestão financeira

As empresas prestadoras de serviços têm uma dinâmica diferente. Por não comercializarem produtos, elas requerem um cuidado extra com a gestão financeira. Caso contrário, a chance de ficar no zero a zero, em vez de lucrar, é bastante real.

Por isso, é necessário fazer um trabalho efetivo e capaz de responder algumas perguntas, como:

Qual o faturamento médio mensal do seu negócio?

Qual o custo da prestação de serviços?

Quais são os gastos fixos e variáveis do mês?

Em quais períodos do ano há aumento ou diminuição da receita?

Chegar a essas respostas é o primeiro passo para as empresas prestadoras de serviços administrarem suas finanças. Neste artigo, vamos abordar a importância da prática, o que ela traz de positivo e negativo, e quais são as melhores dicas para aplicar na sua empresa.

A importância da gestão financeira nas empresas prestadoras de serviços

A gestão financeira contempla diferentes ações que abrangem planejamento, análise e controle das atividades referentes a investimentos, despesas, lucros, financiamentos, empréstimos e valor patrimonial do negócio.

Apesar do objetivo ser o mesmo — garantir um bom fluxo de caixa para honrar os compromissos em dia e fazer investimentos —, a gestão financeira nas empresas prestadoras de serviço precisa ser adaptada.

Isso porque o foco desses negócios não é a venda, mas sim a resolução de problemas do cliente. Desse modo, não tem necessidade de gerenciar o estoque, por exemplo. Por outro lado, é preciso cuidar da sua capacidade de atender às demandas.

Outra característica é o fato dos projetos serem desenvolvidos por demanda. Com isso, ocorre um contato mais próximo e o aumento das chances de personalização. Ainda se torna mais difícil realizar a automação da prestação de serviços, porque os projetos não são homogêneos.

Por outro lado, os custos operacionais tendem a serem menores. O problema é que o faturamento também pode ser mais baixo. Desse modo, a contabilidade de custos exige um cuidado maior, pois envolve valor por hora de trabalho e gastos de manutenção.

Assim, os objetivos a serem alcançados são diferentes. De toda forma, os propósitos dessa prática são:

auxiliar o negócio a crescer;

identificar gargalos e desafios futuros;

analisar o desempenho financeiro da empresa;

avaliar desvios dos indicadores financeiros, a fim de comprar o que estava previsto com o que foi realizado;

implementar medidas corretivas;

controlar o pagamento e o recebimento de contas.

Como fica claro, a gestão financeira é indispensável para qualquer negócio. No caso das empresas prestadoras de serviço, é uma atitude necessária para aumentar suas chances de sucesso no mercado e estabelecer boas parcerias.

Caso contrário, a chance de você deixar seus objetivos de lado e ter desequilíbrio nas finanças é grande. As contas começam a ficar no vermelho, e seu negócio pode entrar na lista de maus pagadores.

Isso é comprovado pelo fato de que, a inadimplência das empresas atingiu 6,2 milhões em janeiro de 2020, segundo dados da Serasa Experian. O índice apresentou alta de 9,9% em comparação com o mesmo mês de 2019. Desse total, 94,2% são micro ou pequenas empresas.

Em relação às empresas prestadoras de serviços, 50,2% estão endividadas. Esses dados demonstram a importância da gestão financeira e o que pode ser evitado por ela, inclusive a inadimplência.

7 dicas para ter uma gestão financeira eficiente

A melhor forma de gerenciar bem as finanças da sua empresa de serviços é adotar boas práticas. Muitos erros podem ser cometidos, como misturar as finanças do negócio, com as pessoais. Por isso, seguir as recomendações é a melhor maneira de ser eficiente. Veja algumas dicas do que fazer.

1. Confira todos os custos

O primeiro passo é saber quais são os custos da sua empresa. Eles podem ser divididos em:

fixos: são aqueles utilizados para o funcionamento da empresa e estão diretamente relacionados à prestação de serviços. É o caso de aluguel de escritório, internet, salário, seguros, parcelas de empréstimos etc., desde que tenha relação com a empresa;

variáveis: são valores que aumentam ou diminuem, de acordo com os serviços prestados. Ou seja, se tem trabalho, eles existem. Se não tem, são isentos. É o caso de manutenção de equipamentos, pagamento a fornecedores, comissões, impostos e mais;

de serviços: são custos específicos para a realização do trabalho. É o caso de transporte de colaboradores, materiais usados e horas trabalhadas.

2. Invista na redução de custos

As melhores estratégias são aquelas que aumentam sua margem de lucro. Para as empresas prestadoras de serviços, é necessário fazer um pente-fino nos gastos para identificar o que pode ser otimizado.

É o caso da adoção de um consumo consciente, a fim de evitar desperdícios com energia elétrica e água, por exemplo. Nos custos variáveis, negocie com fornecedores, revise as comissões e faça um bom planejamento tributário, com o objetivo de pagar menos impostos, conforme a prática de elisão fiscal.

3. Precifique de forma correta

Os preços são mais complexos para as empresas prestadoras de serviços. Aqui, é preciso avaliar o custo total, que abrange fixos, variáveis e de serviços. Além disso, é importante verificar a média do mercado para não cobrar acima ou abaixo.

Uma alternativa bastante usada é a personalização do orçamento, a depender do projeto a ser realizado. Nesse caso, contabilize quatro variáveis:

custos totais: é a soma dos fixos e dos variáveis;

produtividade: consiste no tempo para a conclusão do trabalho;

equipe necessária: é o total de pessoas que precisam ser envolvidas no projeto;

estrutura: envolve veículos, equipamentos e ferramentas utilizados.

Depois de chegar à conclusão desses critérios, ainda acrescente:

  1. mão de obra direta;
  2. encargos sociais;
  3. despesas operacionais;
  4. materiais de consumo;
  5. investimentos.

4. Monitore o fluxo de caixa

O fluxo de caixa precisa ser atualizado todos os dias para evitar inconsistências. É importante controlar entradas e saídas, e também projetar futuros ganhos e gastos. Lembre-se de considerar vendas a prazo e à vista, parcelas de empréstimos, resgates de investimentos e pagamento de fornecedores.

5. Calcule o capital de giro

O capital de giro é o dinheiro usado para manter as atividades do negócio em funcionamento. Para calculá-lo, você deve saber o total de:

  1. ativos circulantes: contas a receber, adiantamentos, resgates e mais;
  2. passivos circulantes: folha de pagamento, contas a pagar e impostos.

A partir disso, faça ativos circulantes menos passivos circulantes, para saber o resultado. A ideia é que, quanto mais longo for o prazo de pagamento aos clientes, maior deverá ser o capital de giro.

6. Defina indicadores de desempenho

A forma mais eficiente de saber como está a gestão financeira em uma das empresas prestadoras de serviço é utilizar KPIs, ou seja, indicadores-chave de desempenho. Você deve defini-los de acordo com a realidade da sua empresa. No entanto, os mais comuns para esse tipo de negócio são:

liquidez corrente: mostra se a empresa conseguirá pagar suas contas no curto prazo. É calculado pelo ativo circulante dividido pelo passivo circulante. Quando o resultado ultrapassar 1, é sinal de que o negócio honrará os compromissos assumidos;

lucratividade: sinaliza o lucro obtido em comparação com a receita total da empresa. É calculado pelo lucro líquido dividido pelo faturamento bruto. O resultado deve ser multiplicado por 100 para chegar a um percentual;

rentabilidade: indica se determinado investimento é válido. Seu cálculo é feito pelo lucro líquido dividido pelos investimentos. O resultado deve ser multiplicado por 100 e mostra o retorno obtido.

7. Invista na educação financeira

As possibilidades de estudos sobre gestão financeira são inúmeras. Vale a pena fazer alguns cursos direcionados para empresas prestadoras de serviços.

Dentro desse contexto, uma opção é o curso de Gestão Financeira e Estratégica para Empresas de Serviços, da Udemy. As aulas abrangem diversos assuntos, como:

estratégia de negócios e como montar um planejamento estratégico;

influência da estratégia nos preços praticados;

fundamentos essenciais da gestão financeira;

estratégia na construção de uma empresa sólida e com resultados;

dicas para fazer uma boa gestão financeira;

exemplos de indicadores a utilizar.

A possibilidade de prestar serviços ao exterior

Com essas informações, você pode pensar em atender empresas de outros países. Essa é uma forma de ganhar mais pelo mesmo serviço prestado, já que o dólar está valorizado, em comparação com o real.

Para chegar a esse patamar, além dos conhecimentos já citados e fluência no inglês, você também precisa de uma plataforma de transferências internacionais. Por meio dela, é possível fazer o envio e recebimento dos valores. No entanto, é preciso avaliar a qualidade e a segurança do serviço, além dos custos.

Uma opção é a Remessa Online. Com ela, você faz seu cadastro de forma gratuita e todas as transferências de dinheiro têm custo de apenas 1,3%, além da taxa de câmbio comercial. A quantia chega para o destinatário no prazo de 1 dia útil.

Com todos esses cuidados, as empresas prestadoras de serviço já estão preparadas para realizarem sua gestão financeira e terem bons resultados. Como está o seu negócio em relação a essas dicas?

Se você quer saber mais sobre transferências internacionais, acesse o site da Remessa Online e tire todas as suas dúvidas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Iniciar conversa
Olá como posso te ajudar?
Olá!
Como podemos te ajudar?